Análise da prova da UFF 2019 – Especialista bibliotecário

A prova da UFF, realizada no último domingo, foi bastante comentada nas redes sociais. Inclusive, com procura ativa pelos concurseiros de biblioteconomia que teriam conseguido pontuação mínima para se considerar aprovado.

Nossa impressão geral revela uma alteração na tipologia das questões da COSEAC, em relação com os anos anteriores. Português não assustou nossos alunos. O tema da redação foi um ponto positivo pelo fato de termos tratado do princípio da isonomia e igualdade em nosso curso voltado para a prova da UFF, inclusive com o exemplo do vagão exclusivo para mulheres no metrô (quem é aluno nosso, sabe!).

Quanto a Biblioteconomia, a reclamação foi devida a opiniões divergentes de autores da nossa área e a cobrança de questões extremamente técnicas (decoreba pura).

Dentre as 35 questões da matéria específica que foram pedidas na prova, separamos algumas questões que comentaremos aqui. A banca apresentou 9 questões que foram bem polêmicas, pois cobraram letra de texto dos autores: MacGarry com 4 questões, Lancaster com 3 questões e Milanesi com 2 questões. Polêmicas porque, apesar de serem autores conhecidos e citados no edital como bibliografia sugerida, pediram justamente o que cada um escreveu. O que torna o assunto longe da prática biblioteconômica, e do que normalmente é pedido em concursos públicos.

 

31 No item que trata da área do título e da indicação de responsabilidade, referindo-se à regra 2.1 do Código de Catalogação Anglo-Americano – AACR2, RIBEIRO (2001) explica que não se acrescentam preposições ou conjunções como fatores de ligação entre os elementos que constituem um dado de responsabilidade, a não ser quando aparecem na fonte principal de informação. Nesse caso devem ser conservados, pois trata-se também de uma:

  • informação. (B) indicação. (C) transcrição. (D) descrição. (E) representação.

Comentário: Esse tipo de questão busca o conhecimento do bibliotecário sobre as regras do AACR2, muito comum em concursos públicos. Regra mandatária (2.1): cumpra-se.

 

36  A análise de conteúdo, que é um conjunto de instrumentos metodológicos em constante aprimoramento, tem como base a inferência, e se aplica a vários:

(A) documentos. (B) discursos. (C) escritos. (D) canais. (E) formatos.

Comentário: Questão abordada em dois momentos em nossa apostila. A banca cobrou do candidato conhecimento e entendimento sobre o tema.

Inferência – quando o perfil do usuário é elaborado a partir de suas características pessoais, profissionais ou de seu comportamento no uso do sistema.

Conforme apontam Barbalho e Rozados (2009), “constituir a compreensão da variedade de competências significa estabelecer um percurso metodológico que permita inferir sobre o que é necessário, o que é real e o que demanda por ser desenvolvido, fatores esses que constituem o mapeamento de competências”.

 

39  O Guia dos Museus Brasileiros, publicado pela USP, é fonte de informação denominada como:

(A) Manual (B) índice. (C) diretório. (D) indicador. (E) relatório.

Comentário: Outra questão que foi comentada em nossa aula. Questão de nível fácil. Em nossa apostila foi citado o Diretório em dois momentos, a saber: demos a definição e no outro exemplo foi citado como exemplo de fonte de referencia

ORGANIZAÇÕES

→ Os diretórios são as fontes tradicionais para a identificação de organizações: essas obras listam os nomes das organizações fornecendo em geral informações tais como endereço, telefone, fax, e-mail, produtos e serviços, nomes e cargos dos dirigentes e outras do gênero.

Bases de dados referenciais, que referenciam informações ou dados, como nomes e endereços de instituições, e outros dados típicos de cadastros.” (ROWLEY, 2002) (Diretório)

 

40  Se for necessário extrair dados informacionais sobre a responsabilidade de uma monografia em outra fonte e não na página de rosto ou na que a substitui, a Regra R2.0B2/AACR2 instrui que eles sejam transcritos, na representação descritiva:

(A) com um ponto de interrogação. (B) entre parênteses. (C) com nota explicativa. (D) entre colchetes. (E) anexando a fonte pesquisada.

Comentário: Esse tipo de questão busca o conhecimento do bibliotecário sobre as regras do AACR2. Regra R2.0B2: cumpra-se.

 

45  Analisar o sistema de circulação de uma biblioteca universitária é um bom método de avaliação e pode ser feito, por exemplo, através da análise do empréstimo. Nos sistemas de circulação informatizados, os dados podem ser reunidos como um subproduto contínuo do funcionamento do sistema. Os registros que representem a totalidade dos empréstimos são processados por meio de programa de computador, a fim de produzir dados sobre distribuição dos assuntos na circulação, identificar os títulos mais utilizados e assim por diante. Esse método avaliativo, antes da chegada da informatização dos serviços, era feito por meio de:

(A) inventário. (B) planilhas. (C) amostras. (D) supervisão. (E) registro.

Comentário: Questão abordada em sala de aula Classificação da avaliação por Lancaster:

Lancaster classifica a avaliação de coleções em: Quantitativa, qualitativa e fatores de uso.

Fatores de uso – avaliação da coleção através de seu uso pela comunidade. A partir de registros de circulação procura-se avaliar a adequação do acervo à comunidade que deve seguir. Procura-se definir se a coleção está atendendo satisfatoriamente à demanda.  Os estudos de uso podem ser realizados pela abordagem de toda a coleção ou por amostragem de títulos, obtidos tanto via catálogo topográfico como pelas obras retiradas em um período pré-determinado.

 

49  Na tipologia das linguagens documentárias, a representação abreviada de um documento que se elabora extraindo frases do próprio documento e aquela que é texto sucinto criado por outro que não o autor do texto representado denominam-se, respectivamente:

(A) resumo e excerto. (B) extrato e resumo. (C) síntese e resumo. (D) resumo e extrato. (E) sinopse e crítica.

Comentário: Questão mais tranquila para uma análise na hora da prova. Lancaster define bem os dois termos. Em seu livro Indexação e resumo: teoria e prática. P. 88.

 

50  Os métodos de análise dos documentos e da informação produzem, entre outros, índices de palavras-chave, índices de palavras de textos integrais e índices de palavras dos títulos e de citações. A esses últimos dá-se o nome de índices:

(A) pré-ordenados. (B) terminológicos. (C) pré e pós-textuais. (D) paratextuais. (E) pós-coordenados.

Comentário: Questão para acertar por eliminação. Na sala de aula expliquei sobre ìndice pré-coordenado e pós-coordenado, assim já eliminamos as opções A, C e E e ficamos entre B e D. Mesmo sem saber o que significa paratextuais. Quanto a opção B Terminologia não se encaixa em citação. Logo Gabarito D.

 

51  Ao lado de bibliografias especializadas, índices e abstracts desempenham importante papel na transferência da informação entre cientistas e os seus pares. Auxiliam o pesquisador a conhecer, em uma única fonte, o que ocorreu ou está ocorrendo periodicamente no campo estudado, pois analisam a produção bibliográfica em determinada área temática. Podem, portanto, também substituir a consulta a uma série de outros trabalhos e são denominadas:

(A) análises temáticas. (B) revisões de literatura. (C) pesquisas de área. (D) coletas bibliográficas. (E) guias de áreas temáticas.

Comentário: Questão que aparece em nossa apostila, para quem fez o nosso curso com certeza acertou.

REVISÕES DE LITERATURA

Trabalhos de revisão são estudos que analisam a produção bibliográfica em determinada área temática, dentro de um recorte de tempo, fornecendo uma visão geral ou um relatório do estado-da-arte sobre um tópico específico, evidenciando novas ideias, métodos, subtemas que têm recebido maior ou menor ênfase na literatura selecionada. Ao lado de bibliografias especializadas, índices e abstracts, servem como fontes na identificação de trabalhos de interesse do pesquisador.

 

53  Como métodos de avaliação de resumos, propostos por LANCASTER (2004), além do julgamento intuitivo, subjetivo; o da comparação com um resumo ‘ideal’; o da medida a partir de quais perguntas de teste sobre um documento podem ser respondidas pelo resumo; há, ainda, o de:

(A) cotejo entre resumos. (B) aprendizagem conseguida. (A) recuperabilidade do documento pelo resumo. (D) funcionalidade terminológica. (E) práticas resultantes.

Comentário: Lancaster faz muito bem essa colocação em seu livro Indexação e resumos. Para quem é seu leitor assíduo acertou a questão.

 

54  Quando se tem um único sobrenome para identificar um autor, a fim de diferenciá-lo de outros, na catalogação descritiva, a regra para sua entrada é:

(A) entrar pelo título. (B) colocar entre colchetes. (C) criar um código na biblioteca. (D) pesquisar e usar algum acréscimo. (E) criar nota explicativa.

Comentário: Questão da prática de biblioteca: para diferenciar o mesmo sobrenome a biblioteca cria um código, coloca uma letra para identificar e diferenciar cada autor.

 

56  Após os oito passos do processo de referência, GROGAN (2001) acrescenta mais uma etapa final:

(A) verificação dos dados obtidos. (B) utilização das fontes bibliográficas. (C) avaliação dos suportes informativos. (D) como o usuário utiliza a informação ou conhecimento aceitos como resposta. (E) registro do caminho percorrido.

Comentário: questão retirada do livro do Grogan (2001) p. 54. A COSEAC sabe que todos os bibliotecários guardam de cor e salteado os 8 passos do processo de referência, daí ela tocou no ponto final após o processo que é como os usuários utilizam a informação aceitos como resposta. Questão que requer atenção nos estudos.

 

57  A Resolução do CFB nº 207/2018, de 7 de novembro de 2018, que aprova o Código de Ética e Deontologia do Bibliotecário brasileiro, fixando as normas orientadoras de conduta no exercício de suas atividades profissionais, no capítulo que trata ‘das penalidades’, especifica no Artigo 13 sobre as infrações ético-disciplinares com a punição de forma alternada com penas de:

(A) advertência reservada e censura pública. (B) aconselhamento e penalização. (C) advertência pública e retenção do registro profissional. (D) censura pública e retenção do registro profissional. (E) retenção do registro profissional e multa compatível.

Comentário: Essa questão foi comentada em sala de aula. Recomendei atenção com as PENALIDADES. Friso sempre , as bancas adoram cobrar esse artigo em concurso. Eles ainda tentaram confundir trocando os termos: advertência reservada por advertência pública. Se você errou atenção da próxima vez.

 

58  Para as linguagens documentárias, organizar o campo conceitual da representação documentária, servir de instrumento para a distribuição útil dos livros ou documentos e controlar as dispersões léxicas, sintáticas e simbólicas no processo de análise documentária são ações consideradas como suas:

(A) características. (B) funções. (C) decorrências. (D) condições. (E) finalidades

Comentário: Mais uma questão que está em nossa apostila. Quem estudou com atenção acertou.

Funções das Linguagens Documentárias

→ controlar as dispersões léxicas, sintáticas no processo de análise documentária, isto é, orientam a organização intelectual para a desconstrução do texto em língua natural e sua representação codificada e sintética, constituindo-se em instrumento de análise semântica e sintática. Gabarito B

 

62  LANCASTER (2004) aconselha, principalmente para as pesquisas em bases de dados, que se anexe um formulário de avaliação a ser preenchido pelo usuário, para que a biblioteca possa calcular, em relação à busca feita, o:

(A) coeficiente de precisão. (B) cálculo de satisfação. (C) horizonte de expectativa. (D) grau de acertos. (E) nível de avaliação.

Comentário: Esta questão conseguimos acertar POR ELIMINAÇÃO. Bem se consultamos em bases de dados sempre procuramos ser precisos em nossa pesquisa. Gabarito A.

 

64 As contribuições para determinação do universo conceitual de uma área são encontradas em fontes primárias e secundárias. Fazendo parte destas últimas, estão os:

(A) levantamentos de pesquisas retrospectivas. (B) debates com usuários em potencial. (C) tesauros. (D) elencos de termos específicos da área. (E) documentos representativos da área específica.

Comentário: Outra questão de atenção. A banca cobrou fonte secundária. Em nossa apostila consta a definição de Tesauro de acordo com sua estrutura:

Segundo sua Estrutura – são vocabulários controlados e dinâmicos de termos relacionados, semântica e genericamente, que cobrem um domínio específico do conhecimento.

Por esta definição verifica-se que o Tesauro é do tipo secundário, pois, relaciona termos não apresentando sua definição.


Adoraríamos ter um retorno de como foi a sua prova. Se fez curso conosco, qual foi a sua avaliação das nossas aulas?

 

Posted in Apoio ao concurseiro, Biblioteconomia.

Deixar uma resposta